INSTAGRAM @YANKAVAZ
Colaboradores, Dicas, Viagem

Como consegui meu intercâmbio

12 de agosto de 2013

Oi meninas, tudo bem?

O post de hoje vai contar um pouco sobre a minha experiência de intercâmbio, como eu consegui realiza-lo, na verdade. Bom, pra quem ainda não sabe, eu fiz um intercâmbio de um semestre na Michigan State University, em East Lansing, Michigan; ao norte dos EUA, o estado que parece uma palma de mão.

Leia também: Vantagens e Desvantagens de fazer intercâmbio nos EUA

Faço Ciências Sociais com ênfase em ciência política e no período em que estava no meu quinto semestre, surgiu um edital de intercâmbio chamado CAPES/FIPSE para trabalhos em cooperação entre a minha universidade e a MSU. O meu edital era para realizar uma espécie de estudos/pesquisas colaborativas sobre Globalização, e pedia especificamente alunos do meu curso, de economia e de geografia. Então eu tive sorte, já que maioria dos editais de intercâmbio que dão bolsas integrais são de ampla concorrência.

Em todo edital existem pré-requisitos, coisas que você tem que ter minimamente, para poder ser homologado no processo de seleção. A maioria dos editais de financiamento de intercâmbio que eu vejo abertos pedem notas altas (acima de 8,0), estar cursando a partir de um determinado período do curso (geralmente a partir do 3º semestre), ter um bom currículo lattes (que é basicamente o seu currículo vitae no meio acadêmico e científico), ter o passaporte (então se você quer mesmo fazer, o primeiro passo é tirar seu passaporte!) e ter um nível avançado ou intermediário da língua, muitas vezes exigindo a comprovação disso como um certificado de formação, ou os certificados emitidos pelas provas de proficiência como o TOEFL dentre outros.

como-consegui-meu-intercâmbio

No meu caso, além desses documentos básicos, eu precisava entregar uma carta de apresentação em inglês dizendo no que o intercâmbio me seria útil e por que eu era merecedora da oportunidade, e também uma carta de recomendação de algum professor da universidade. Parecem ser coisas difíceis de se conseguir, mas ao contrário, é bem simples. O importante, no caso da carta de apresentação, é alguém que revise pra você, né? Tem sempre aqueles erros, causados pelos nossos vícios de linguagem e que acabam passando despercebidos.

Leia também: Os diferentes tipos de Intercâmbio

Depois de entregar todos esses documentos, esperei umas duas semanas e saiu o resultado, tinha sido homologada para a segunda etapa, que também era a final, tratava-se de uma entrevista. A maioria dos editais de bolsas tem essa etapa final, que é entrevistar pessoalmente os candidatos para avaliar as respostas e a competência de cada um. As entrevistas eram em inglês, numa sala de reuniões com funcionários da pró-reitoria da universidade responsável pelos acordos internacionais, pelos diretores dos cursos envolvidos e pelos professores coordenadores do projeto. Sim, deu medo estar numa sala cheia de gente e todos atentos à você e suas respostas. Mas o segredo é o mesmo de uma entrevista de emprego, keep calm e venda seu peixe! Eles não esperam que seu inglês seja impecável, mesmo que você seja formado, isso porque a fluência só se consegue no convívio, então tudo bem se você travar, se você falar uma ou outra coisa errada, o essencial é o mesmo de qualquer processo de comunicação: entender e se fazer entendido.

Leia também: 5 dicas para arrumar as malas

Mais um tempo depois e saiu o resultado final, havia passado em primeiro lugar e conseguido a bolsa!

O post é contando minha experiência, mas na verdade, é a experiência de muitas pessoas que tentam intercâmbio com financiamento de instituições, sejam elas públicas ou privadas, imaginei que contando como consegui meu intercâmbio, ajudaria quem está tentando. Querem saber mais coisas? Só perguntar nos comentários que eu respondo com todo o prazer! Até a próxima semana!

2


Veja Também...

Comentar Via FaceBook


Estudando

Como organizar seus estudos

31 de julho de 2013

Bom gente como as aulas começam nessa quinta na maioria dos colégios e hoje eu quero falar sobre futuro, disciplina e sonhos. Eu estou cursando segundo ano do ensino médio (como disse na minha apresentação) e carrego comigo uma meta: universidade publica. Os vestibulares públicos no Brasil são extremamente concorridos então eu estipulei em um planejamento pessoal que começaria a pegar firme nos estudos a partir do segundo semestre desse ano, e com a volta as aulas vai ser mãos à obra.

Talvez muitas pessoas se identifiquem com o meu perfil, estudei a vida inteira em colégio particular e sinto que tenho como obrigação passar em uma boa universidade, meus pais não me cobram que seja publica, mas é um orgulho próprio que diz que tem que ser, eu acredito na minha capacidade e acredito que todo mundo também deve acreditar na sua. Sonhos são sempre o começo de tudo, eles nos motivam a crescer e querer ir alem. Claro que nada vem sem suor, noites perdidas, festas que você deixou de ir.

E um conselho que eu dou a todos vocês que acreditam nos seus sonhos é que não desistam, que não fraquejem e que mostrem pro mundo o quão grandes podem ser. Esse post vai mais como conselho a todos vocês, de escolas publicas ou particulares, meninos ou meninas, reflitam: será que estão dando o devido valor para as oportunidades que tem? Se agarre a uma meta e cresça, faça com que seu mundo gire em torno daquilo. Nunca é tarde pra começar qualquer coisa, então abaixo vão três dicas fundamentais pra você que quer começar, que acredita em você e ta disposto a correr atras:

  1.  Tenha uma rotina de estudos: Planeje seus horários e reserve ao menos duas horas de estudos por dia (5 dias por semana no mínimo) . Estudando todos os dias você não vai ter matéria acumulada e isso vai diminuir sua tensão quando as provas da escola ou o vestibular estiverem próximas. É legal dividir uma matéria por dia assim não fica cansativo, e fazer seus próprios resumos, estudar com suas próprias palavras ajuda muito!
  2. Abandone o celular e as rede sociais: Ficar sem o celular e rede social durante a aula e durante os horários de estudos em casa não vai matar ninguém, pelo contrário vai te ajudar a ficar mais atento e deixar os problemas e papos de lado. (Essa pra mim também é a parte mais difícil, eu sou extremamente viciada em celular).
  3. Use e abuse das ferramentas que você dispõe, não leve dúvidas pra casa, frequente os plantões de dúvidas, use as ferramentas do site da sua escola, tudo isso só vai complementar cada vez mais os seus estudos.

“As raízes do estudo são amargas, mas seus frutos são doces” Aristóteles

4


Veja Também...

Comentar Via FaceBook