Navegação Categoria

Comportamento

Amor, Comportamento, Textos

Uma história não predestinada.

4 de julho de 2013

Ela conheceu ele no inicio de uma noite qualquer, por um motivo qualquer, não sei ao certo. Eles não se olharam, se beijaram e descobriram que foram feitos um para o outro. Na verdade não chegou nem perto disso.

Só ele olhou pra ela. Na vida dela as coisas não aconteciam assim. Fora de cogitação. O tempo passou, um tempo necessário. Eles se reencontraram e se tornaram amigos, bons amigos, por sinal.

Eles conversavam, esqueciam das horas, esqueciam a noite, esqueciam a aula. Conversavam sobre tudo, de uma forma que ninguém mais compreendia. Ele a convidava pra sair, ela recusava. Eles continuavam conversando, encontravam-se  sem querer de vez enquanto. Ele soava diferente. Ela era fascinada pelo diferente.

Ele por enquanto era só um menino. Ela era o antídoto. Ele fazia ela se sentir importante, ela não sabia ao certo a proporção do seu efeito sobre ele. Ele precisava dela, ela precisava dele. Ele ligava, mandava mensagem, conversava na internet. Ela atendia, respondia, batia papo.

Bem, digamos que essa história não seja difícil de ser contada. Um cara que ainda estava aprendendo a lidar com uma porção de coisas, e ELA que conseguia lidar com quase tudo.

Ela um dia resolveu aceitar um dos seus convites para ir ao cinema, mas como sempre, ela agiu magnificamente e mudou  o roteiro da saída. Ela toparia qualquer coisa naquele dia, ela queria sair de casa, mas de forma alguma entraria na sala de um cinema naquela noite.

Eles continuaram conversando e a conversa terminou num bar. Ao passar da noite, ela que era acostumada a recusar tudo que vinha dele a não ser palavras amigas, recusou um beijo, já era de se esperar. Mas não se contente com esse final porque a noite mal havia começado.

Em algum momento naquela mesma noite eles se beijaram. Ele não tinha muita certeza. Ela nem se importava. Ele resolveu fazer com que ela se importasse, e eles continuaram, ficaram juntos, um presente na vida do outro e não se desgrudaram mais.

Ela percebeu que se importava.

Se você está esperando o final dessa história, fico feliz em lhe informar que ela não tem fim, tem um novo começo todo dia. Nessa história eles aprenderam juntos que a felicidade não está no final e vivenciam ela todos os dias no seu trajeto.

0


Veja Também...

Comentar Via FaceBook


Comportamento, Textos

Primavera Brasileira

19 de junho de 2013

Não, não é por 20 centavos! Num páis com tantas mortes causadas pela violência nas ruas, pessoas morrendo em filas de hospitais, inflação, trânsito caótico, locais sem acessibilade para deficientes, transporte público precário, corrupção, escolas sem vagas e sem estrutura, você acredita mesmo que milhões de pessoas sairiam das suas casas para protestar por apenas 20 centavos? Agora pensa num país com todos esses problemas, que gasta BILHÕES de reais construindo estádios, mas “falta dinheiro” para construir escolas, hospitais, postos de saúde e melhorar o transporte público. O aumento de 20 centavos foi apenas a gota d’água que fez o povo se exaurir. Eu acredito que essas pessoas que estão nas ruas podem sim fazer as coisas mudarem! E se você acha que 20 centavos não é motivo de ir pra rua e mudar tudo, saiba que o estopim da Revolução Francesa foi o preço do pão!

Acorda Brasil Primavera brasileira brasil acordou midia internacional

“A fiança para os detidos na manifestação é de R$20 mil reais. Tem gente que atropela e mata, paga 5 a 10 mil reais e sai andando da delegacia.” Ana Paula Freitas

Só uma coisa justifica uma fiança tão alta a ser paga por um manifestante: O medo! Eles estão com medo do povo, eles sabem do poder que a gente tem, quem não sabia eramos nós! #Vemprarua #AcordaBrasil

0


Veja Também...

Comentar Via FaceBook