Navegação Categoria

Amor

Amor, Comportamento, Textos

Uma história não predestinada.

4 de julho de 2013

Ela conheceu ele no inicio de uma noite qualquer, por um motivo qualquer, não sei ao certo. Eles não se olharam, se beijaram e descobriram que foram feitos um para o outro. Na verdade não chegou nem perto disso.

Só ele olhou pra ela. Na vida dela as coisas não aconteciam assim. Fora de cogitação. O tempo passou, um tempo necessário. Eles se reencontraram e se tornaram amigos, bons amigos, por sinal.

Eles conversavam, esqueciam das horas, esqueciam a noite, esqueciam a aula. Conversavam sobre tudo, de uma forma que ninguém mais compreendia. Ele a convidava pra sair, ela recusava. Eles continuavam conversando, encontravam-se  sem querer de vez enquanto. Ele soava diferente. Ela era fascinada pelo diferente.

Ele por enquanto era só um menino. Ela era o antídoto. Ele fazia ela se sentir importante, ela não sabia ao certo a proporção do seu efeito sobre ele. Ele precisava dela, ela precisava dele. Ele ligava, mandava mensagem, conversava na internet. Ela atendia, respondia, batia papo.

Bem, digamos que essa história não seja difícil de ser contada. Um cara que ainda estava aprendendo a lidar com uma porção de coisas, e ELA que conseguia lidar com quase tudo.

Ela um dia resolveu aceitar um dos seus convites para ir ao cinema, mas como sempre, ela agiu magnificamente e mudou  o roteiro da saída. Ela toparia qualquer coisa naquele dia, ela queria sair de casa, mas de forma alguma entraria na sala de um cinema naquela noite.

Eles continuaram conversando e a conversa terminou num bar. Ao passar da noite, ela que era acostumada a recusar tudo que vinha dele a não ser palavras amigas, recusou um beijo, já era de se esperar. Mas não se contente com esse final porque a noite mal havia começado.

Em algum momento naquela mesma noite eles se beijaram. Ele não tinha muita certeza. Ela nem se importava. Ele resolveu fazer com que ela se importasse, e eles continuaram, ficaram juntos, um presente na vida do outro e não se desgrudaram mais.

Ela percebeu que se importava.

Se você está esperando o final dessa história, fico feliz em lhe informar que ela não tem fim, tem um novo começo todo dia. Nessa história eles aprenderam juntos que a felicidade não está no final e vivenciam ela todos os dias no seu trajeto.

0


Veja Também...

Comentar Via FaceBook


Amor, Comportamento, Textos

Amores tranquilos

25 de maio de 2013

Chega uma hora que o coração esfria e amar de novo é quase um desafio. O mundo tá cheio de corações partidos por ai.

É hora de esquentar o coração de novo, deixar o ciúme e a insegurança de lado e se preparar para amores tranquilos. Amor com saudade, amor com carinho, romance, risada. Ciúmes não. Amor com amizade, amor com surpresa, sem posse, sem desconfiança, só amor!

Aquela sorte de um amor tranquilo com sabor de fruta mordida que o mestre Cazuza (en)cantou em “Todo amor que houver nessa vida”, sabe? É disso que eu estou falando. Se entregar sem medo de se machucar e sem se lembrar do que já te machucou.

Procure alguém que te segure mas não te prenda, esquece as feridas, esquece quem não te quis bem. Não deixe que as decepções do passado te impeçam de viver novas experiências no futuro.  Só toma cuidado para não segurar a mão de alguém que prefere segurar copos de whisky com gelo por ai.

Reinvente, desapegue. A primeira opção nem sempre é a melhor.

2


Veja Também...

Comentar Via FaceBook